COSMÉTICOS E O COMÉRCIO ELETRÔNICO EM TEMPOS DE PANDEMIA

Foto: Getty Images

A um ano atrás não poderíamos imaginar que estaríamos usando máscara para sair de casa, praticando isolamento social, higienizando compras e praticamente tudo o que levamos para casa, trocando de sapato para entrar em casa, lavando as mãos e usando álcool em gel a toda hora.

Ou mesmo pesquisando na internet sobre quanto tempo um vírus pode viver em produtos cosméticos que são utilizados várias vezes como batom, maquiagem, cremes, entre outros.

A pandemia da Covid-19 veio e mudou drasticamente o estilo de vida, os hábitos e a rotina de todos no mundo inteiro. Os efeitos avassaladores da pandemia nos fizeram perceber e relembrar que hábitos simples de higienização como lavar as mãos e/ou usar antissépticos após retornar para casa, usar transporte público e antes de comer ou cozinhar é de extrema importância para prevenir a disseminação de microrganismos, sendo recomendado exaustivamente a correta higiene das mãos por todos os meios de comunicação e nos mais diversos locais.

As mudanças ocorridas no estilo de vida devido ao coronavírus também despertou mudanças na indústria cosmética na relação entre marcas e consumidores, revolucionando o mercado de compra online, bem como o interesse pelo viroma humano para o desenvolvimento de produtos que tenham ação contra vírus.

Portanto, continue lendo e entenda mais sobre as mudanças do uso de cosméticos e comércio eletrônico nos tempos de pandemia.

 

COSMÉTICOS NA PANDEMIA

 

Até então, sabemos que até que grande parte da população seja vacinada, todas as ações que são comprovadamente eficazes como a correta higiene das mãos, deverão persistir por um bom tempo, mesmo após a vacinação.

Com todas as mudanças nos hábitos e rotinas que estamos enfrentando ao longo do ano, será que os nossos cuidados com a pele e com o cabelo também mudou? E qual seria o papel dos cosméticos nessa pandemia?

Bem, estudos já apontam que o fechamento dos salões de beleza e de lojas que comercializam produtos de beleza, contribuiu para uma redução no consumo de produtos como tintura para cabelos, esmaltes, maquiagens, batons e perfumes.

Outro resultado percebido é o crescimento de produtos com “ação contra vírus”, bem como o aumento do hábito de higienização das mãos e o uso de hidratantes para as mãos.

Esse aumento se deve ao fato que, apesar da pele das nossas mãos ser muito eficiente em nos proteger, o uso constante e excessivo de sabonetes e/ou álcool para a higienização das mãos, provocam mudanças no pH da pele, prejudicando seu equilíbrio, causando danos na função de barreira da pele, aumentando a perda de água e ocasionando vários graus de inflamação, podendo desenvolver dermatite de mãos, caraterizada por dor, avermelhamento, inchaço, fissuras e descamação.

A dermatite torna as mãos mais suscetíveis a qualquer tipo de infecção, seja ela bacteriana, viral ou fúngica, podendo também desenvolver eczemas mais graves e gerar novos graus de inflamação.

Dessa forma, ao escolher o sabonete ou o álcool em gel é importante eleger aquele que contenha substancias hidratantes em sua composição, tal como glicerina, extratos vegetais e vitaminas.

Bem como, além de continuar com os cuidados e medidas de proteção, devemos ter certos cuidados básicos, como:

 

 

A hidratação das mãos é muito importante para a manutenção e proteção da barreira da pele, principalmente nesse momento em que vivemos, no qual a higienização das mãos é recorrente. Sendo assim, deve-se usar hidratante nas mãos todos os dias, de preferência todas as vezes que as mãos forem lavadas ou limpas com álcool em gel.

 

Outra mudança ocasionada pela pandemia é a diminuição do uso de maquiagens e produtos de embelezamento. Em grande parte, se deve ao isolamento social, das atividades remotas e do parcial ou total fechamento dos estabelecimentos de beleza.

Além disso, o uso frequente de máscara (que é essencial para proteção do novo coronavírus) desestimula as pessoas a utilizarem maquiagem, por dois motivos principais: primeiro que ninguém vai ver o seu rosto por inteiro e segundo porque aumenta a umidade e a oleosidade do rosto, podendo causar irritações e obstrução dos poros, favorecendo o surgimento ou o agravamento de quadros de acne. Esse distúrbio passou a ser designado por “maskne”, que é a junção de mask e acne.

O uso de maquiagem está relacionado ao aumento da autoestima, no entanto, alguns estudos demostram que boa parte das mulheres pretendem continuar com os hábitos de uso de cosméticos que adotaram durante a pandemia. Isso poderá diminuir a importância dos produtos usados por mulheres para aumentar sua autoestima e aumentar o uso de produtos funcionais.

Estudos também apontam que grande parte das mulheres não estão satisfeitas com o seu cabelo, devido a mudança ou falta de uma rotina de cuidados com os fios e acreditam que produtos cosméticos adequados podem melhorar sua qualidade de vida.

Dessa forma, é imprescindível continuar com os hábitos de cuidados com os cabelos mesmo com o isolamento necessário durante a pandemia, visto que o cabelo é tão importante para a autoestima das mulheres quanto os cuidados com a pele.

Em tempos difíceis como esse que estamos vivendo, é importante higienizar os cabelos com produtos que ao mesmo tempos os tratem, além de manter a rotina anterior de cuidados com a pele e os cabelos, ou que novas rotinas sejam incluídas a ele para manter a autoestima e, assim, ajudar na manutenção da saúde mental nessa época de pandemia.

Também não podemos esquecer dos hábitos de fotoproteção mesmo em tempos de isolamento social e consequente diminuição a exposição direta ao sol, pois pode incidir em um deficit de vitamina D. E esse déficit pode ocasionar desconforto temporário, depressão, fadiga, além de outros problemas.

A quarentena pode nos dar a falsa sensação de segurança quanto a exposição solar, mas a exposição ao sol que entra pela janela, bem como a luz azul que é emitida naturalmente pelo sol e artificialmente por telas de equipamentos eletrônicos podem ser significativas, com consequentes danos a pele e ao fotoenvelhecimento.

Em suma, mesmo em época de isolamento social, o estabelecimento de uma rotina de cuidados com a pele e o cabelo é importante, pois pode apresentar benefícios para a saúde, para nossa autoestima e pode influenciar positivamente em nossa qualidade de vida.

 

COMÉRCIO ELETRÔNICO EM TEMPOS DE PANDEMIA

 

A revolução da internet e do comércio eletrônico ficou muito clara nessa pandemia. Com múltiplas aplicações, ela abrange um turbilhão de inovações, com base em tecnologias diversificadas, agregando conveniência e praticidade ao cotidiano.

Os aplicativos que “resolvem” quase tudo; o trabalho remoto com reuniões, lives e eventos online e a adesão aos consumidores mais resistentes ao comércio eletrônico foram algumas das mudanças que marcaram 2020.

Com isso, o comércio eletrônico brasileiro cresceu a patamares inéditos nos últimos 20 anos, registrando um salto recorde em 2020, refletindo o aumento na demanda por conta da pandemia do novo coronavírus e também o maior número de empresas que decidiram entrar no comércio eletrônico.

Segundo pesquisa da Ebit/ Nielsen feita em parceria com a Elo, o faturamento do varejo online subiu 47% no primeiro semestre do ano passado, ante o mesmo período de 2019. A associação Brasileira de Comércio Eletrônico estima que 20,2 milhões de consumidores realizaram pela primeira vez uma compra pela internet em 2020 e que 150 mil lojas passaram a vender também por meio das plataformas digitais.

Abaixo segue os segmentos em que o e-commerce representou a maior fatia nas vendas totais em 2020:

 

Participação do e-commerce por categoria — Foto: Economia G1

 

A maior necessidade de comprar online por conta das medidas de restrição e de distanciamento social contribuiu para essa mudança de hábitos de consumo dos brasileiros. E essa arrancada acelerou a implementação e o uso de novas formas de experimentação, como a realidade aumentada, que permite “testar” produtos em tempo real por meio de sobreposições digitais.

Essas experiências fortalecem as plataformas das marcas e suas interações com o consumidor, ao combinar a atratividade da loja física à conveniência do mundo virtual. Entretanto, com o aumento na oferta e na procura, é preciso redobrar os cuidados com a segurança.

E para continuar avançando em ritmo acelerado, o comércio eletrônico precisa também aumentar os investimentos em logística, transparência e qualidade de atendimento, para ampliar tanto o número de consumidores como de frequência de compras pela internet.

Por fim, por mais que as notícias as vezes não sejam muito animadoras, como a publicada em julho de 2020 pela BBC, em que, cientistas alertam que o coronavírus não é a última pandemia que vamos enfrentar – novos vírus aparecerão, e que as situações que vivemos sejam completamente inusitadas decorrentes da pandemia que tem levados tantas vidas e causando tantos prejuízos sociais e econômicos, não podemos perder e fé e acreditar que tudo isso vai passar!

 

Veja também “MADAM C. J. WALKER E A LIDERANÇA FEMININA”.

Deixe seu comentário, dicas e sugestões. Pesquise em nosso Blog e compartilhe com os amigos. Curta nossa página no Facebook e vejas novidades no nosso canal do YouTube.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.