O QUE SÃO COSMÉTICOS VERDES?

A algum tempo a “onda verde” tomou conta do mundo e palavras como sustentabilidade passaram a integrar o vocabulário recorrente de várias áreas. E o mercado de beleza não fugiu à regra, sendo cada vez mais comum encontrar produtos autodenominados como “verdes”. Os cosméticos verdes têm conquistado cada vez mais o mercado brasileiro e mundial, bem como um público cada vez mais exigente. Portanto, entenda a diferença entre cosméticos naturais, orgânicos e veganos, além dos ingredientes proibidos nessas formulações. Confira!

Não é só na alimentação que os “produtos verdes” estão fazendo sucesso. É claro que, a maior representação de produtos ainda é por alimentos orgânicos, porém os cosméticos estão ganhando cada vez mais espaço.

Os cosméticos verdes já são uma tendência bem consolidada no mercado europeu e EUA, onde já atuam neste segmento há mais de 20 anos. Nos EUA, produtos de cuidados pessoais orgânicos e naturais já representam 10% das vendas. A demanda por produtos verdes acontece por diversos motivos, entre eles pela percepção de serem mais saudáveis e seguros ou por serem menos agressivos ao meio ambiente. Tal demanda tem sido reforçada por novas tendências comportamentais como a do consumo ético, e de estilo de vida saudável e consciente.

Porém, muitas vezes fala-se muito de cosméticos verdes, mas a percepção do que realmente são fica um pouco confuso. É natural que exista alguma confusão entre as definições de cosméticos naturais, orgânicos e veganos, em razão aparente similaridade entre eles. Mas, afinal, o que são cosméticos verdes?

 

O QUE SÃO COSMÉTICOS VERDES?

Os cosméticos verdes são produtos à base de matérias-primas naturais e produzidos dentro dos princípios da sustentabilidade, éticas sociais e animais.

Ou seja, eles contêm óleos naturais, ceras, manteigas vegetais, ervas, plantas, flores e frutos que interagem harmoniosamente com o organismo de forma funcional, são produzidos dentro dos princípios da sustentabilidade, ecologicamente correto, socialmente justo e não são testados em animais.

Podemos dividir os cosméticos verdes em três grupos: naturais, orgânicos e veganos.

 

No Brasil, esses termos não são regulamentados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA, nem existe regulamentação oficial para estes tipos de produtos, mas os produtos que se enquadram neles passam por diretrizes rigorosas realizadas por empresas certificadoras antes da sua comercialização.

 

1 – Cosméticos Naturais

Os cosméticos naturais são aqueles compostos em grande parte de ingredientes naturais, não é obrigatório a presença de ingredientes orgânicos, sem derivados de petróleo, mas que podem conter matéria-prima derivada de animal e alguns sintéticos, salvo algumas restrições. O processo de fabricação deve ser sustentável, com o mínimo de impacto ambiental e não pode ser testado em animais.

 

2 – Cosméticos Orgânicos

Os cosméticos orgânicos são aqueles formulados com ingredientes orgânicos, sem agrotóxico, sem adubos químicos, sem derivados do petróleo, mas que podem conter matérias-primas derivada de animal e alguns sintéticos, salvo algumas restrições. O processo de fabricação deve ser sustentável, com o mínimo de impacto ambiental e não pode ser testado em animais.

 

3 – Cosméticos Veganos

O terno inglês “vegan” foi criado em 1944 e trata-se de uma corruptela da palavra “vegetarian”, em que se consideram as três primeiras letras e as duas últimas para formar a palavra “vegan”. Em português, as três primeiras e as três últimas letras de “vegetariano” são consideradas na formação do termo “vegano”, por definição, adepto do veganismo.

O veganismo é um movimento que diz respeito aos direitos animais. Por razões éticas, os veganos são contra a exploração dos animais.  O veganismo reúne, portanto, um rol de princípios que defendem que o ser humano viva sem explorar os animais.

Para um cosmético ser considerado vegano, ele não precisa ser natural ou orgânico, mas não deve conter ingredientes de origem animal como mel, leite ou lanolina, comumente encontrados em produtos naturais, nem ter sido testado em animais, mas pode utilizar produtos químicos.

 

 

CERTIFICAÇÕES

A certificação é o instrumento que garante que os produtos verdes portadores de selo/rótulo/certificado foram produzidos de acordo com as normas de suas práticas.  As agências certificadoras verificam se as normas que garantem a qualidade e a integridade final de um produto endossado são cumpridas pela marca certificada. Uma vez certificados, os produtos podem receber um selo de certificação que indica a sua conformidade com o órgão certificador.

 

As principais entidades certificadoras mundiais são:

 

*BDIH: Bundesverband Deustscher Ind – Alemanha

*NASAA: National Association for Sustainable Agriculture – Austrália

*Soil Association – Reino Unido

*Ecocert – França e Brasil

*ICEA: Instituto per La Certificazione Etica e Ambientale – Itália

*Agencert – Argentina

*Bolicert – Bolívia

*QAI: Quality Assuarance International – Estados Unidos

COSMOS: Cosmetic Organic Standard – Europa

No Brasil, há duas agências que certificam os cosméticos orgânicos:

*IBD Certificações: Instituto Biodinâmico, localizado em Botucatu, no interior do estado de São Paulo, que realiza, há mais de dez anos, a certificação orgânica e biodinâmica para o Brasil.

*Ecocert Brasil, com sede em Florianópolis, Santa Catarina, que chegou ao país no início de 2001.

 

CLASSIFICAÇÃO DE INGREDIENTES

IBD e Ecocert

  

COSMOS

 

Veja também “COMO SURGIU A MAQUIAGEM FACIAL?”.

Deixe seu comentário, dicas e sugestões. Pesquise em nosso Blog e compartilhe com os amigos. Curta nossa página no Facebook e vejas novidades no nosso canal do YouTube.

Comments

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.