COMO O CABELO É DANIFICADO?

A estrutura durável dos cabelos está sob constante bombardeio de uma variedade de agressores, e, provavelmente, em algum momento, você já se perguntou: como saber quanto o cabelo está danificado? O que fazer para reparar os danos? Portanto, veja como o cabelo é danificado e responda a essas perguntas. Confira!

 

 

Os cabelos carregam os mais variados símbolos ao longo da história. Eles já diferenciaram homens livres de escravos, foram cultuados, negligenciados e tem destaque na mitologia de diversas culturas, desde o guerreiro bíblico Sansão aos cabelos do Deus hindu Shiva, que deram origem ao rio Ganges.

Os cabelos são exibidos como formas de expressão e de afirmação da personalidade, por isso, não é à toa que os recursos para os tratar acompanham a trajetória do homem.

No Egito Antigo, escovas, pentes, espelhos, navalhas feitos de cobre e loções de tratamento faziam parte da rotina de cuidados com os cabelos. As perucas usadas na época, feitas de cabelo humano ou de lã de carneiro, eram formas de distinção social, assim como o hábito de manter cabeças raspadas e corpos sem pelos, costumes adotados pela nobreza cerca de 3 mil anos a.C.

Já na Grécia e Roma Antiga, escravos, prisioneiros e quem fosse considerado traidor eram os que tinham as cabeças raspadas. Para os que podiam exibir suas cabeleiras, o loiro era a cor mais desejada e, na tentativa de clarear os cabelos, mulheres e homens gregos faziam infusões com flores amarelas.

Nos salões de barbearia que surgiram na Grécia Antiga, intelectuais, esportistas e políticos trocavam ideias enquanto eram barbeados e tinham os cabelos e as barbas modelados com ferro quente. Óleos, pomadas e loções eram usados para dar brilho e perfume aos cabelos. Além das barbearias, esses serviços também eram prestados nas casas de banhos.

No entanto, a dedicação e o cuidado de gregos e romanos com a aparência e os hábitos de higiene foram gradualmente sendo deixados de lado, com a ascensão do cristianismo.

Na Idade Média, os cabelos permaneceram como coadjuvantes, desprezados sob as perucas, que recebiam tratamento minucioso de especialistas contratados especialmente para cuidar delas.

Elas eram polvilhadas com farinha e após terem sido usadas, eram colocadas sob um receptáculo, onde um pequeno pote de mel era deixado para atrair os germes que se acumulavam nelas.

Somente no século 20 que grandes mudanças começaram a ocorrer em relação ao tratamento dos cabelos, que foi justamente na época em que os fios passaram por um turbilhão de transformações.

Acompanhando os movimentos da sociedade, os cabelos se beneficiaram da expansão da indústria de produtos para o cuidado pessoal e atualmente, homens e mulheres contam com uma variedade de produtos, desenvolvidos para atender as necessidades cada vez mais específicas.

Mas ao mesmo tempo estamos sempre sujeitando nossos cabelos as mais variadas soluções e tratamentos. Entre penteados e tranças, permanentes, relaxamentos, tinturas, calor intenso de secadores e chapinhas, além da exposição ao sol, cada um desses ataques agride os cabelos de maneira específica.

E por mais que recebam atenção especial desde a antiguidade, não é de estranhar que a estrutura dos cabelos fique comprometida e que suas propriedades se modifiquem. Essa ocorrência é frequentemente referida por meio de um termo que abrange toda a percepção do consumidor: dano.

 

COMO O CABELO É DANIFICADO?

 

Desde o momento em que os fios despontam no couro cabeludo, eles sofrem com uma imensa variedade de agressões. E a decomposição dessa complexa estrutura capilar pode ocorrer de inúmeras maneiras. Portanto, é impossível descrever o status dos cabelos apenas com um número ou usando apenas uma única técnica de mensuração.

Um primeiro passo para distinguir as diferentes formas de danos aos cabelos pode ser a especificação dos locais onde se manifestam essas ocorrências.

 

1 –  Superfície do Cabelo – Cutícula

A superfície mais externa do fio de cabelo é uma série de escamas rígidas superpostas, coletivamente denominadas cutícula. Pense no telhado de uma casa, cuja finalidade é servir como uma camada externa que protege um interior mais vulnerável.

Assim, como a cutícula é a parte mais externa de um fio de cabelo, é a sua estrutura que percebemos ao tocar nos cabelos. E podemos ter percepções sensoriais muito diferentes ao se tocar cabelos com estruturas da cutícula em estados diferentes, tais como:

 

 

Embora as imagens acima possam ser surpreendentes, muitas vezes temos vontade de atribuir valores numéricos aos danos superficiais dos cabelos. Dessa forma a Tabela abaixo, apresenta como exemplo uma escala de 5 pontos para descrever a condição da superfície do cabelo.

 

 

Mas o que causa esses “danos” na superfície do cabelo?

Surpreendentemente ou não, produtos para tratamentos químicos estão, geralmente, no topo da lista de agressores dos cabelos. Esses tipos de tratamentos enfraquecem os fios dos cabelos e os colocam em risco. O dano químico também causa níveis notavelmente maiores de inchaço dos fios quando estão imersos em água. Cada vez que os cabelos são lavados e secados, a estrutura da cutícula precisa se expandir e encolher enormemente para acomodar as dimensões corticais que foram aumentadas e reduzidas. Esse é um processo semelhante ao da deterioração de estradas devido ao clima, quando as temperaturas externas levam a expansão e a contração térmica do piso.

Além disso, alguns agentes externos como raios solares, sal da água do mar, cloro de piscina e poluição podem romper a cutícula do fio e deixá-lo desprotegido. É por isso que é tão importante usar protetor solar para cabelo para sair ao ar livre e ajudar a deixar os fios menos expostos.

Outro fator que agride a superfície dos fios é o uso frequente de ferramentas de calor como secador, chapinha e babyliss sem proteção térmica. As altas temperaturas desse tipo de acessório colaboram para sensibilizar ainda mais os fios, deixando-os ressecados e com toque áspero.

Dessa forma, uma estrutura enfraquecida, aliada a uma exacerbação por agressões externas, contribui para a deterioração mais rápida da superfície.

A redução das propriedades da superfície cria um atrito adicional entre os fios adjacentes durante seu pentear. Assim, a tarefa comum e diária de escovar os cabelos também os danificam, onde essa operação de fricção, causa fadiga e abrasão desgastando ainda mais a camada externa da cutícula. Esse é um círculo vicioso que vai piorando, cada vez mais, as propriedades dos cabelos.

 

 

Contudo, alguns produtos podem interromper e reduzir esse ciclo vicioso. Um condicionador tradicional, que sai no enxague, pode reduzir drasticamente a fricção e abrasão dos fios durante o penteado, diminuindo muito o desgaste funcional.

Devido aos ingredientes presentes em sua formulação, os condicionadores lubrificam os fios, ajudando a mascarar e suavizar os danos, ao mesmo tempo que retardam a progressão da deterioração na superfície dos cabelos.

Porém, o cabelo não é reparado fisicamente, apenas dá a sensação de um toque mais sedoso e manejável, ou seja, os depósitos de condicionadores não recuperam estruturalmente os fios, somente alisam a camada superior de uma superfície de cutícula levemente danificada.

 

2 –  Estrutura Interna do Cabelo – Córtex

O córtex é responsável pelas propriedades mecânicas do cabelo, como elasticidade, resistência, rigidez, etc. As impressionantes propriedades mecânicas dos cabelos são consequência de sua complexa arquitetura interna. Portanto, qualquer alteração dessas propriedades pode ser consequência de alterações estruturais.

O sintoma primário de cabelos com resistência comprometida é o elevado grau de quebra dos fios durante a realização de seus hábitos e práticas diários.

Contudo, a estrutura do córtex interno dos cabelos não é facilmente visível, portanto, as alterações químicas e da estrutura proteica dentro da estrutura cortical interna dos cabelos, somente podem ser mensuráveis através de testes de tensão e ruptura dos fios, por exemplo. Através desses testes é possível detectar e avaliar numericamente os efeitos dos diferentes tratamentos “agressores”.

 

 

Fios de cabelos tratados podem ser mais esticados antes que ocorra uma ruptura. Isso pode ser facilmente observável pelo simples manuseio e puxando os fios tratados.

Cabelos que passam por tratamentos químicos oxidativos, ou seja, por processo de descoloração, tinturas permanentes e exposição a raios ultravioleta, perdem elementos fundamentais que suportam a resistências dos fios, diminuindo suas propriedades de tensão, ou seja, gera o ressecamento dos fios, deixando-os enrijecidos. Dessa forma, cada um dos fios de cabelo torna-se mais fraco e mais propenso a quebras.

O mesmo acontece com cabelos alisados a quente, que sofrem relaxamento com alto índice de pH e tratamentos com queratina a base de formaldeído (escovas progressivas), que comprometem as propriedades de tensão dos cabelos.

Os cabelos dão sinais claros de quando precisam de cuidado. Cabelos porosos, quebradiços, frágeis, opacos e sem vida, são só alguns dos sinais de um cabelo danificado.

Mas quando ter a certeza que os fios estão realmente danificados e precisam de tratamento?

Veja abaixo como identificar esses alertas que o nosso cabelo pode mostrar.

 

6 SINAIS QUE O CABELO ESTÁ DANIFICADO

 

Como um velho ditado diz: “Mais vale prevenir do que remediar”.

Sabemos que prevenir é sempre a melhor maneira de evitar um cabelo danificado. Mas também sabemos que a rotina agitada do dia a dia pode roubar a atenção que o cabelo merece.

E com o tempo, os sinais de um cabelo danificado podem aparecer. Portanto, veja alguns alertas que o nosso cabelo pode mostrar!

 

1 – Sem Volume

Se os fios eram densos e grossos, mas agora estão ralos e sem volume, o seu cabelo pode estar danificado. A fibra capilar perde a umidade natural quando está nesse estado, afetando consequentemente o peso.

 

2 – Dificuldade ao Pentear

A falta de água do cabelo poroso deixa-o mais difícil de ser penteado. A eletricidade estática fica aparente quando o pente passa pelas fibras capilares, deixando os fios arrepiados. Isso acontece porque ocorre um desiquilíbrio entre os íons do cabelo.

 

3 – Pontas Duplas

Elas são as primeiras a aparecer. Os fatores naturais (poeira, vento, sol, poluição) e externos (aparelhos térmicos sem proteção) podem desgastar as extremidades e causar as pontas duplas.

 

4 – Frágil e Quebradiço

O cabelo está sensível ao toque? Quando passa as mãos nele ou faz algum movimento brusco, sente que eles se quebram? Eles estão caindo mais que o normal? Esses podem ser os sinais de um cabelo danificado e que precisa de reposição de proteína.

 

 5 – Sem Brilho

Imagine o cabelo como se fosse um espelho, que é capaz de refletir a luz. O mesmo acontece com um cabelo saudável, que é capaz de refletir a luminosidade. Mas o contrário acontece com os fios danificados, ficam opacos e sem vida.

 

6 – Perda da Elasticidade

Pegue um fio de cabelo, enrole-o nos dedos e puxe. Se ele voltar ao tamanho normal, seu estado é saudável. Mas se ele não retomar ao comprimento normal, o cabelo perdeu a elasticidade. A perda da flexibilidade indica que o cabelo está danificado.

 

COMO RECUPERAR OS CABELOS DANIFICADOS?

 

Para recuperar os fios que se tornaram fracos, quebradiços e porosos, é necessário fazer tratamentos que hidratam e fortalecem os cabelos, a base de óleos essenciais, queratina, aminoácidos e vitaminas, presentes no shampoo, condicionador e hidratante capilar adequados, sendo importante ajustar a temperatura da água, e ter cuidados com a escovação e uso de produtos que protegem os fios dos danos, por exemplo.

Assim, as melhores soluções para os cabelos danificados são:

 

1 – Hidratar os cabelos regularmente

Quando os cabelos estão muito secos e danificados, é indicado realizar hidratações semanais, entretanto o intervalo deve ser de pelo menos 15 dias para quem tem o couro cabeludo é oleoso.

Para fazer uma hidratação eficaz, é orientado escolher produtos de qualidade, sendo indicados os seguintes passos:

 

– Higienizar os fios com shampoo, de preferência anti-resíduos, e retirar o excesso de água com uma toalha;

– Aplicar o produto em uma pequena quantidade em cada mecha do cabelo, massageando-as suavemente;

– Deixar o produto agir, de acordo com o tempo recomendado pelo fabricante, de preferência aquecendo os fios, com uma touca de alumínio ou uma toalha;

– Enxaguar bem e finalizar com o condicionador.

– Para potencializar o efeito da máscara hidratante, é possível colocar umas gotas de óleo essencial, como de Argan, Azeite ou Macadâmia, que têm capacidades nutritivas e regenerativas.

2 – Escolher o produto ideal

É muito importante que os produtos utilizados, desde shampoo, condicionadores e hidratantes sejam adequados para cada tipo de cabelo, contribuindo para a necessidade de cada pessoa. As principais dicas são:

Cabelos crespos: costumam ser cabelos mais ressecados, pois a hidratação natural dos fios têm maior dificuldade para chegar às pontas, além de serem fios mais finos. São recomendados produtos com propriedades hidratantes, à base de queratina, elastina ou quinoa;

Cabelos cacheados: o uso de máscaras com propriedades hidratantes são indicados para os cabelos cacheados, principalmente os que contêm pantenol, manteiga de karité, além de óleos, como de oliva ou argan;

Cabelos quimicamente tratados: fios que passaram por alisamentos, escovas progressivas e tratamentos semelhantes devem usar produtos que ajudam na recuperação dos fios e que sejam formulados para este tipo de cabelo, já existindo diversas opções no mercado, com efeitos reconstrutores. Também é recomendado o uso de silicone e de produtos protetores para o calor da chapinha ou secador;

Cabelos descoloridos: cabelos que passam por clareamento ou luzes acabam se tornando muito danificados, sendo indicado o uso de produtos hidratantes e reconstrutores, de preferência feitas para cabelos loiros, como a base de camomila ou específicos evitar o efeito amarelado.

Além disso, as pessoas que têm o cabelos danificados pelo uso excessivo de secador ou chapinha, devem usar produtos com efeito hidratante e reconstrutor, sendo essencial passar produtos termoprotetores antes, para permitir que a cutícula fique selada, além de um finalizador, principalmente a base de óleos após.

 

3 – Fazer uma cauterização capilar

A cauterização capilar, também conhecida como plástica capilar, é um tratamento de reestruturação dos fios, que utiliza a associação de queratina e calor para fechar os seus poros e acabar com o frizz, reduzindo o volume e deixando os cabelos mais suaves a suavidade, hidratados e com brilho.

Ela é indicada sempre para cabelos danificados, frágeis, quebradiços ou com as cutículas abertas, que estão precisando de um tratamento profundo e reparador. Saiba como é feita a cauterização e os cuidados que se deve ter.

 

4 – Fazer um cronograma capilar

O cronograma capilar é uma rotina de cuidados que ajuda na recuperação dos cabelos danificados. Neste tratamento, programa-se uma agenda de cuidados, que alterna entre períodos de hidratação, nutrição e reconstrução, com produtos específicos, durante um período que pode durar até 6 meses. Saiba fazer o seu próprio cronograma capilar em Cronograma capilar para cabelos danificados.

 

5 – Ter cuidados durante a lavagem

Durante o banho, a lavagem dos cabelos deve ser feita de forma cuidadosa, para evitar que eles se quebrem durante o processo, preferindo-se lavar durante o dia, pois quando se dorme com o couro cabeludo molhado, a umidade favorece o surgimento da caspa e a quebra dos fios.

Além disso, recomenda-se que a água esteja na temperatura morna ou fria, pois a água muito quente remove a camada de gordura que protege os fios, deixando-os mais fracos e quebradiços.

 

6 – Evitar chapinhas e secadores

O calor gerado por esses procedimentos danifica os fios, portanto devem ser evitados por quem que melhorar a saúde dos cabelos. Caso não seja possível evitar, deve-se preferir alisar com secadores, mantendo uma distância de 30 cm dos fios. As chapinhas devem ser, de preferência, feitas a base de cerâmica, pois controlam melhor a temperatura.

 

7 – Cuidados com a alimentação

Uma dieta nutritiva é fundamental para a recuperação de cabelos danificados, sendo importante a presença de proteínas, presente em carnes, leite e ovos, além de nutrientes como ômega 3, vitamina A, vitamina C, Ferro e Zinco, presentes em alimentos como nozes, sementes e vegetais, por exemplo, que são fundamentais para o crescimento saudável e fortalecimento dos fios.

 

Veja também “ALISAMENTO, ESCOVA PROGRESSIVA E RELAXAMENTO: QUAL A DIFERENÇA?”.

Deixe seu comentário, dicas e sugestões. Pesquise em nosso Blog e compartilhe com os amigos. Curta nossa página no Facebook e vejas novidades no nosso canal do YouTube.

 

Referência

Cosmetic&Toiletries. Ed. Temática, Agos, 2009.

Revista Pesquisa Fapesp. Fio por Fio. Ed. 137, jul. 2007.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.