TIPOS DE PRODUTOS COSMÉTICOS INFANTIS

O Brasil é um dos maiores mercados mundiais de produtos cosméticos infantis que vão desde produtos de higiene básica até perfumaria e maquiagens. Mas, é preciso ficar atento, pois a pele do bebê e a da criança diferem da pele do adulto e necessita de cuidados únicos. Portanto, entenda melhor as características da pele e cabelo infantil, além dos tipos de produtos cosméticos infantis para ter cuidado na hora de escolhê-los. Não Perca!

Dedico, em especial, esse artigo para minha irmã, Ana Luísa, mamãe de primeira viagem. Que o pequeno Giovanni Ulisses ou Ulisses Giovanni venha com muita saúde!

 

CARACTERÍSTICAS DA PELE INFANTIL

 

A pele, o maior órgão do corpo humano, é formado pela epiderme, pela derme e pelo tecido celular subcutâneo.

 

 

A epiderme é a camada mais superficial da pele, em contato com o ambiente e compreende o estrato córneo, as camadas granulosa, espinhosa e basal. A derme localiza-se logo abaixo da epiderme, sendo responsável por suportar e nutrir a camada mais superficial da pele. É composta de colágeno e elastina, abriga terminações nervosas, vasos sanguíneos, linfáticos e glândulas sudoríparas e sebáceas. O tecido celular subcutâneo é composto de tecido conjuntivo gorduroso.

Entre as funções da pele, a mais importante é a sua ação como barreira entre o meio interno e o ambiente, prevenindo a desidratação do organismo, protegendo-o contra traumas e controlando sua temperatura.

A pele do recém-nascido é gordurosa e após 3 meses torna-se seca ou muito seca. A pele do bebê e da criança até 12 anos de idade é caracterizada como fina, frágil, sensível e imatura devido a diferentes fatores.  Sua superfície caracteriza-se por ter pH neutro, o que diminui significativamente a defesa da pele contra a excessiva proliferação microbiana.

Seu conteúdo lipídico é menor por causa da baixa atividade das glândulas sebáceas, mas apresenta elevado teor de água. É uma pele macia, uma vez que a camada córnea tem menor espessura, e a epiderme e a derme são mais finas do que as do adulto.

Entre o nascimento e a maturidade, a área de superfície da pele de uma criança aumenta e várias estruturas cutâneas sofrem alterações anatômicas e funcionais. A pele da criança, especialmente das que ainda mamam, é bastante delicada, apresenta facilidade de descamação e maior perda de água que a adulta, em razão da grande imaturidade das estruturas que a constituem, o que faz com que seja menos resistente a agentes externos potencialmente prejudiciais e menos apta a manter o equilíbrio, o que explica sua textura ser diferente da pele de um adulto.

A permeabilidade da pele infantil é muito elevada, principalmente durante a primeira quinzena de vida. A medida que o tempo vai passando, a pele da criança adquire cada vez mais impermeabilidade, mas está se mantém sempre inferior à da pele do adulto. A pele infantil também é mais facilmente agredida mecanicamente como, por exemplo, o contato da pele com a fralda ou por causa da utilização de lenços de limpeza, que causam a remoção repetida e localizada de células do estrato córneo, aumentando a permeabilidade cutânea.

As atividades das glândulas sebáceas da pele infantil não aumentam até acontecerem as mudanças hormonais da puberdade, que ocorrem por volta dos 12 anos. Essas mudanças hormonais também causam diferenças na estrutura e no comportamento das peles dos meninos e das meninas, que até essa idade eram iguais.

 

CARACTERÍSTICAS DO CABELO INFANTIL

 

Os cabelos são pelos terminais queratinizados que crescem no couro cabeludo. A estrutura do cabelo infantil e do cabelo adulto são compostas pela camada externa – cutícula, intermediária – córtex e interna – medula.

A cutícula é a camada protetora externa de cada fio de cabelo humano e impede a penetração de agentes químicos no interior da fibra capilar. É responsável pelo brilho, suavidade e penteabilidade do fio.

O córtex é o interior do fio do cabelo e é responsável por quase todas as propriedades que definem e fazem do cabelo humano algo único, como: forma, cor, resistência, elasticidade e quantidade natural de umidade nos fios.

Já a medula pode ser vazia ou repleta de componentes porosos, mas não tem uma função específica em relação aos fios. O cabelo humano é composto basicamente por uma proteína denominada queratina e pode ter ainda alguns elementos químicos, tais como o carbono, oxigênio, nitrogênio, hidrogênio e enxofre, além de minerais como ferro e zinco.

Os cabelos, entre 0 a 2 anos de idade, são penugens finas, de 3 a 6 anos os cabelos começam a engrossar, sua curvatura muda, embaraçam com mais facilidade e até sua cor pode se modificar. Já entre 7 a 12 anos de idade, os cabelos engrossam, se são lisos podem cachear e se são cacheados podem ficar mais lisos. A glândula sebácea tem maior atividade e os cabelos necessitam de uma limpeza, pois se tornam mais oleosos por causa dos estímulos dos hormônios.

 

TIPOS DE PRODUTOS COSMÉTICOS INFANTIS

 

1 –  Produtos para Proteção Solar

São produtos destinados a proteger a pele dos danos da radiação solar. É uma emulsão composta de filtros inorgânicos (físicos), filtros orgânicos (químicos), emolientes, emulsionantes, doadores de viscosidade, umectantes, formadores de filme, conservantes e fragrância.

Os filtros inorgânicos ou físicos são constituídos por ativos como o dióxido de titânio e óxido de zinco que forma uma barreira capaz de refletir ou dispersar a radiação solar, além de possuírem baixa permeação cutânea e alta capacidade de manter a sua ação fotoprotetora após longos períodos de radiação solar.

Já os filtros orgânicos ou químicos são compostos por substâncias que absorvem a radiação incidente, interferindo o contato com a pele. Eles são classificados em filtros UVA e UVB.

Conforme a indicação da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), em bebês, o uso de produtos para proteção solar não é recomendado antes dos 6 meses de idade, pois as chances de uma reação alérgica são maiores porque o seu sistema imunológico não está totalmente desenvolvido. Assim, nessa idade, o ideal é utilizar somente métodos de proteção de barreira, como roupas e chapéus. E os banhos de sol devem ser restritos ao tempo e aos horários indicados pelo pediatra.

Dos 6 meses aos 2 anos de idade, a recomendação é utilizar somente filtros 100% físicos e, a partir dos 2 anos de idade, utilizar filtro solar infantil que, em geral, é uma mistura de filtros químicos e físicos.

O fator de proteção solar (FPS) do produto a ser utilizado nas crianças deve ser no mínimo 15, de acordo com o fototipo de pele ou conforme recomendação médica. Quanto maior o valor de FPS do produto, maior a proteção proporcionada.

O protetor solar deve ser reaplicado a cada duas horas. Em praia ou piscina, mesmo que o produto seja resistente à água, os pais devem reaplicá-lo na criança após sua entrada na água ou depois de muita transpiração. Mesmo com esses cuidados, a exposição solar deve ser evitada no período das 10h às 16h.

Os protetores labiais não devem ser usados em crianças menores de 3 anos de idade e, a partir dessa idade, deve ser aplicado exclusivamente por um adulto. Para maiores de 5 anos, usar sob a supervisão de um adulto.

Os produtos pós sol podem ser usados para todas as faixas etárias, mas devem ser aplicados por um adulto ou sob sua supervisão.

 

2 –  Produtos para Cabelos

Os shampoos devem ter baixa irritabilidade ocular e podem ter ativos que ajudam a desembaraçar os fios. Seu pH deve ser na faixa de 6,0 a 7,0.

Condicionadores, caso seja necessário, deve ser aplicado por um adulto para que não corra o risco de excessos de creme nos cabelos. Devem ser suaves e proporcionar bem desembaraçamento dos cabelos. Seu pH deve ser entre 4,0 a 5,0.

Os condicionadores sem enxague deve ser utilizado em crianças acima de 3 anos de idade.

Mas, devido aos avanços tecnológicos e das transformações da sociedade, as crianças estão amadurecendo mais cedo e se adequando a um mundo onde, muitas vezes, seus hábitos se confundem com os adultos.

Graças a esses novos hábitos, a legislação para o público infantil se renovou e nela foram incluídas novas categorias capilares. Dentre elas destacam-se as máscaras capilares para hidratação, finalizadores capilares e reparadores de pontas.

Os fixadores de cabelos de uso infantil devem ser usados a partir dos 3 anos de idade, ser aplicados exclusivamente por um adulto e não podem ser apresentados em spray. Devem ter uma textura leve, podem ser coloridos, perfumados, ter fotoprotetor e efeito luminoso.

As máscaras capilares e os reparadores de pontas infantis também devem ser usadas a partir dos 3 anos de idade. As máscaras capilares infantis diferem das dos adultos no quesito peso e hidratação que doam aos cabelos, não podendo deixar os cabelos infantis pesados. Seu pH deve ser entre 4,0 a 5,00.

 

3 –  Produtos para Higiene Bucal

Na infância, a cavidade bucal pode apresentar diversos fenômenos fisiológicos ou alterações de desenvolvimento. Portanto, é um órgão de enorme complexidade e de cuidados especiais.

 

 

Os primeiros dentes surgem entre os 6 a 8 meses de vida. Até os dois anos e meio a três anos de idade surge os 20 dentes temporários e a mudança permanente dos dentes se dá normalmente em duas fases: entre os 6 a 8 anos e entre os 10-12 anos de idade.

Assim, a limpeza bucal favorece o estabelecimento de uma microbiota saudável para a chegada dos primeiros dentes, além de motivar a criança a ter bons hábitos de higiene.

Os produtos de higiene bucal são aqueles que têm por finalidade a retirada de restos alimentares e a manutenção de uma cavidade oral saudável, obtendo-se assim condições para um ótimo crescimento, desenvolvimento e funcionamento dos dentes.

Dentre os produtos dessa categoria englobam os dentifrícios com e sem flúor e enxaguatório com e sem ação antisséptica.

Dentifrício com flúor pode ser usado por todas as faixas etárias, porém não podem ser ingeridos e até 6 anos de idade devem usar quantidade do tamanho de uma ervilha, com supervisão de um adulto durante a escovação. Já o dentifrício sem flúor também não pode ser ingerido e deve ser aplicado por um adulto ou sob sua supervisão.

Enxaguatório bucal com e sem ação antisséptica não deve ser usado por crianças menores de 6 anos de idade, não deve ser ingerido e precisa ser supervisionado por um adulto.

 

4 – Produtos de Limpeza e Outros

São produtos destinados a limpar e refrescar delicadamente a pele do bebê ou da criança por meio da remoção de sujidades resistentes, como os resíduos de pomada e creme de assaduras oi, ainda fecais e urinários. Estão incluídos nesta categoria produtos como toalha umedecida, lenço umedecido, loção de limpeza em emulsão, água e fluido de limpeza.

São produtos sem enxágue e sua formulação deve ser muito suave para minimizar possíveis reações alérgicas. Os produtos de limpeza e higienização têm pH em torno de 5,0 a 6,0.

Crianças devem usar sabonetes infantis líquido ou em barra, mais apropriados à sua pele delicada. O uso de sabonetes em barra com pH muito alcalino pode provocar alterações na pele e facilitar o aparecimento de infecções e irritações.

 

5 –  Produtos para Maquiagem

Os produtos para maquiagem englobam batom/brilho labial, esmalte, blush, pó facial e sombra.

A maquiagem infantil deve ter baixo poder de fixação e ser facilmente removida da pele com água e a destinação única permitida é colorir a pele ou lábios. Blush, pó facial e sombra pode ser usado em crianças a partir de 3 anos e a indicação única é colorir temporariamente a face ou pálpebras, no caso da sombra.

Os batons e brilhos labiais é permitido para crianças acima de 3 anos de idade e devem colorir os lábios temporariamente, não podendo conter substâncias modificadoras de tonalidade dos lábios pelo contato com a saliva.

Esmaltes é permitido a partir dos 5 anos de idade, porém deve ser usado somente aqueles que são à base de água e que saem sem necessidade do uso de acetona ou removedor. Por não possuírem solvente, o cheiro dos esmaltes infantis é bem diferente do de adultos.

Fique atento! Maquiagens para boneca e outras comercializadas como brinquedos não podem ser utilizadas em crianças, pois não são formuladas com ingredientes próprios para a pele infantil e nem propiciam a segurança necessária.

Cada produto deve ser submetido a testes específicos para comprovar que não irrita e não cause reações alérgicas. O rótulo deve possuir indicações de segurança específicas incluindo a indicação da faixa etária de uso do produto. Além disso, a Anvisa permite que os produtos para maquiagem contenham substâncias que possuam gosto ruim (amargo) para evitar que a criança leve o produto à boca.

Portanto, sempre escolha os produtos compostos de matérias-primas suaves, específicos para o público infantil e que tenham sido submetidos a testes dermatológicos e aprovados por dermatologistas ou pediatras.

 

Veja também “DESODORANTE, ANTITRASNPIRANTES E ANTIPERSPIRANTES: QUAL A DIFERENÇA?”.

Deixe seu comentário, dicas e sugestões. Pesquise em nosso Blog e compartilhe com os amigos. Curta nossa página no Facebook e vejas novidades no nosso canal do YouTube.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.