CREMES E LOÇÕES

Desenvolver formulações de sucesso é um desafio, especialmente quando os produtos são emulsões, pois o consumidor quer desempenho, aparência agradável e inovação em um único produto. Por isso, hoje iremos abordar as características, definição, mecanismo de atuação, formulação e funções de ingredientes, assim como processo de fabricação de cremes e loções. Não perca!

Antes mesmo de entendermos sobre cremes e loções, é essencial saber o que é uma emulsão. Você sabe o que é?

 

 

EMULSÕES COSMÉTICAS

 

Emulsão é um veículo heterogêneo, constituído por uma mistura de um líquido disperso no outro, no qual são imiscíveis.  Assim, normalmente, emulsões são sistemas heterogêneos, constituídos de um lado por água e por outro de óleo, ou seja, sistema imiscível e por um terceiro componente que é o agente emulsificante (também chamado de tensoativo ou surfactante), o qual torna miscíveis dois sistemas imiscíveis, dispersando um no outro.

A fase dispersa é denominada como fase interna ou descontínua, sendo constituída de microesferas ou micelas, enquanto o meio dispersante denominado como fase externa ou contínua, consiste na substância que envolve a micela da fase interna.

As emulsões podem ser classificadas em:

 

a) Emulsão O/A: As emulsões com fase interna oleosa e fase externa aquosa são conhecidas como emulsões óleo em água, que podem ser designadas como “O/A”. Gotículas de óleo (micelas) são dispersas em água, que são circundadas por tensoativos com sua parte lipofílica (que possuem afinidade com óleo) apontando para dentro, e as hidrofílicas (que possuem afinidade com água) para fora, mantendo o óleo disperso em água. Nesse tipo de emulsão a fase externa é a água e a interna o óleo. Possui grande concentração de água e baixa proporção de óleo. Normalmente é menos oleosa, menos emoliente, tem secagem mais rápida e facilmente lavável, podendo ocorrer à formação de espuma.

 

b) Emulsão A/O: As emulsões com fase interna aquosa e fase externa oleosa são conhecidas como emulsões água em óleo, que podem ser designadas como “A/O”. Gotículas de água (micelas inversas) são dispersas em óleo, que são circundadas por tensoativos com sua parte hidrofílica apontada para dentro, e a lipofílica para fora. Nesse tipo de emulsão a fase externa é o óleo e a interna a água. Possui grande concentração de óleo e baixa proporção de água, com alto grau de emoliência e dissolvência, sendo ideal para preparação de cosméticos demaquilantes e cremes de limpeza em geral.

Nas emulsões O/A nas quais o meio dispersante é aquoso, o sensorial do produto é mais leve, menos oleoso e, assim, menos oclusivo para a pele. Esse tipo de emulsão é mais utilizado e valorizado no mercado brasileiro porque proporciona as sensações de leveza e refrescância.

As emulsões A/O têm efeito oclusivo, podendo ser utilizadas para a limpeza da pele por meio da remoção de sujidades oleosas, já que são solúveis e podem ser removidas facilmente.

 

CREMES E LOÇÕES

 

Cremes e loções são emulsões O/A (óleo em água) ou A/O (água em óleo) constituídas de uma fase aquosa e de uma fase oleosa que são unidas por meio de um tensoativo (emulsionante) que tem afinidade com ambas as fases.

Dessa forma, são sistemas versáteis e responsáveis por carrear ativos que foram incorporados a eles, entregando benefícios a pele e aos cabelos. Possuem aparência branca (macroemulsão) ou aparência mais transparente (microemulsão), dependendo do tamanho das micelas que se formam.

Os cremes clássicos são constituídos basicamente de ceras, emolientes, conservantes e água. Apresentam alta viscosidade e têm um toque mais ceroso. Já as loções clássicas são emulsões com viscosidade menor que a do creme clássico, podendo ou não ser aplicada por fricção. É ideal para aplicação corporal, por ser menos espessa e ter melhor espalhabilidade.

 

COMPONENTES DE CREMES E LOÇÕES

 

Os cremes e as loções são compostos de agentes espessantes de fase oleosa ou reguladores de viscosidade, gelificantes de fase aquosa, emulsionantes, emolientes, umectantes, agente quelante, reguladores de pH, ativos, conservantes e fragrância.

No quadro abaixo é apresentado um exemplo de uma formulação básica de cremes e emulsões.

 

Resumidamente, as características desejáveis de um agente emulsificante são:

 

1 – Tem que reduzir suficientemente a tensão superficial;

2 – Precisa adsorver-se rapidamente sobre as gotículas dispersas, para formar um filme que não irá ser destruído quando duas gotas colidirem;

3 – Tem que apresentar uma estrutura molecular específica, cuja extremidade polar seja atraída para a água e a extremidade não polar atraída para o óleo;

4 – Precisa ser mais solúvel na fase contínua para estar prontamente disponível para a adsorção;

5 – Tem que apresentar potencial eletrocinético adequado;

6 – Tem que afetar a viscosidade da emulsão e deve ser eficiente em baixas concentrações, além de ser relativamente barato.

 

A composição da proporção entre água, óleo e concentração de emulsionante é de extrema importância para a estabilidade da emulsão. Assim, para mantê-la estável, o importante é evitar a coalescência das gotículas, reduzir a tensão interfacial e diminuir a diferença de densidade entre as fases, além de reduzir o tamanho das gotículas para doar estabilidade ao meio.

A indicação da estabilidade da emulsão é dada pelo tempo necessário para o início visual de separação das fases. As emulsões estáveis demoram muito tempo para se separar. Dessa forma, os tensoativos (emulsionantes) utilizados na formulação devem adiar ao máximo esse processo natural de separação.

 

PROCESSO DE FABRICAÇÃO

 

O processo de fabricação de um creme ou de uma loção clássicos consiste basicamente na mistura de uma fase aquosa e de uma fase oleosa, que são aquecidas à temperatura de aproximadamente 80°C, por determinado período de tempo, para a formação da emulsão.

Após a emulsificação, a mistura é resfriada e quando estiver na temperatura de 45°C, são adicionados a ela os conservantes, os aditivos e a fragrância, que são sensíveis a altas temperaturas, finalizando o processo.

Entretanto, na preparação de uma emulsão, alguns fatores influenciam no resultado final, como: algumas variáveis de formulação, a natureza do emulsionante e das fases aquosa e oleosa, e a temperatura.

Os pontos críticos do processo são a temperatura da emulsão, o tipo de agitação e, as velocidades de agitações e resfriamento.

Portanto, é importante avaliar os estudos das características físico-químicas, como a avaliação do balanço hidrofílico-lipofílico (HLB) – utilizado para determinar, por meio de uma escala numérica, qual é a característica desejável do emulsionante para se produzir emulsões A/O ou O/A -, e o estudo da solubilidade e da compatibilidade, que permitem prever de que forma alguns tensoativos (emulsionantes) podem contribuir para a estabilidade da emulsão.

Outro fator que deve ser considerado no processo de fabricação é o tipo de equipamento utilizado; a velocidade de agitação; e o processo durante a produção dos produtos.

 

CARACTERÍSTICAS DO PRODUTO FINAL

 

As características físico-químicas desejáveis de um produto cosmético da categoria de cremes e loções devem atender aos seguintes parâmetros:

Viscosidade, a qual depende muito do tipo de frasco no qual o produto será comercializado, pois este deve ser de fácil manuseio;

Apsecto, o qual depende do tipo de formulação desejada, como emulsão cremosa, ou loção fluida, ou gel-creme;

pH, deve estar entre 5,5 – 6,5 (creme de formulação básica).

Há ainda cremes e loções com características mais especificas, como peelings químicos, filtros solares, cremes antirrugas, cremes antiacne, cremes preventivos de assaduras, etc.

Veja também  “MÁSCARAS FACIAIS – BELEZA EXPRESS”

Deixe seu comentário, dicas e sugestões. Pesquise em nosso Blog e compartilhe com os amigos. Curta nossa página no Facebook e vejas novidades no nosso canal do YouTube.

Referência

Cosmetics & Toiletries Vol. 30, mai-jun 2018

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.