A QUÍMICA DO CONDICIONADOR – COMO MELHORAM A MALEABILIDADE DOS FIOS?

Os condicionadores não podem realmente reparar cabelos danificados, mas podem restaurar a aparência e textura dos cabelos. Eles fecham as escamas dos fios, permitindo maior facilidade para pentear, proporcionam uma melhor aparência, volume e brilho, reduzem a elasticidade estática do cabelo, deixando mais solto e macio, fortalecem o cabelo e amaciam a cutícula. Mas, você sabe como isso ocorre quando lava os cabelos? Continue lendo e descubra!

 

CABELOS MAIS MACIOS

 

No desenvolvimento dos modernos condicionadores de cabelos, a partir do século XX, destaca-se a criação do perfumista Edouard Pinaud. O produto, chamado brilhantina, era um líquido oleoso e perfumado, elaborado para amaciar cabelos, barbas e bigodes, e que viveu o auge da popularidade nas décadas de 50 e 60.

Voltando um pouco no tempo, vale ressaltar que as tentativas de melhorar a maleabilidade dos cabelos sempre incluíam a utilização de óleos naturais, como o óleo de macassar, muito utilizado pelos ingleses durante o século XIX. O produto era uma mistura de óleos de coco e palma, a qual eram adicionados outros óleos aromáticos, como o de ylang ylang. O nome “macassar” se deve ao fato de o produto ter sido fabricado a partir de ingredientes comprados no porto de Makassar, na Indonésia. Por ser extremamente gorduroso, era preciso usar uma toalhinha para proteger os tecidos dos sofás e poltronas.

Os condicionadores alteraram a textura e a aparência dos fios. Na década de 80, eles assumiram o lugar do creme rinse na dupla com os shampoos, facilitando o cuidado com os cabelos, pois, além de desembaraçá-los, ajudavam a diminuir o volume. Nos anos 90, surgiram no mercado nacional as versões “2 em 1” – shampoo e condicionador.

Fabricantes passaram a apresentar produtos para cuidados específicos e extensões de linha, como máscaras de tratamento intensivo e outros produtos para condicionar e tratar os cabelos.

Com as mudanças no cenário econômico, advindas do Plano Real, mais consumidores no Brasil passaram a ter acesso a esses produtos e a indústria seguiu investindo em novas tecnologias para atender às exigências destas pessoas.

Chegaram as linhas de shampoo para cabelos ressecados, quimicamente tratados, claros, escuros, crespos e cacheados, lisos, tingidos… As famílias de shampoos e condicionadores ganharam mais e melhores itens.

Hoje o mercado oferece condicionadores instantâneos – o mais comum, aplicado depois do shampoo; profundos – com formulações mais concentradas, para serem usados periodicamente; e os tipo leave-in – cremes sem enxágue.

Assim como em outros segmentos de cuidado pessoal, a valorização do conceito de produtos naturais, com o uso de matérias-primas amazônicas, também se aplica a shampoos e condicionadores. Crescem ainda os lançamentos de produtos para minimizar os danos causados por secadores, chapinhas e tratamentos químicos, assim como as chamadas linhas gourmet, com o apelo de ingredientes como chocolate, vinho, chantilly, entre outros.

O QUE TEM NO CONDICIONADOR?

 

Os condicionadores melhoram a aparência e maleabilidade dos cabelos, reduzindo a “eletricidade” e diminuindo o frizz, mas são produtos com tempo de ação relativamente curtos. Dessa forma, para que o produto seja efetivo e cumpra a ação desejada, a escolha dos componentes e a concentração destes na formulação é fundamental.

Um condicionador bem formulado pode melhorar o volume, brilho, maciez e maleabilidade dos cabelos, e reduzir a estática. Contudo, a quantidade e tipos de materiais graxos utilizados interferem no grau de condicionamento e no aspecto que o produto deixa no cabelo, mais pesado ou mais leve.

Os condicionadores capilares podem ser pensados como shampoos invertidos. A maioria dos shampoos contém uma grande quantidade de tensoativos e uma menor quantidade de material graxo (condicionadores), e o inverso acontece com os condicionadores.

Sim, os condicionadores contêm tensoativos, normalmente o mesmo usado nos shampoos. Sem eles os condicionadores não formariam espumas, nem poderiam ser enxaguados dos cabelos.

Os componentes básicos de uma formulação de condicionador são:

1 – Material Graxo

Os condicionadores melhoram o ato de pentear os cabelos úmidos e deixam os cabelos macios devido a ação de depósito de materiais graxos. Os materiais graxos, são ácidos graxos extraídos, normalmente, de óleos e gorduras de origem vegetal ou animal. Uma de suas funções é preenche cavidades, poros e rachaduras nos fios, tornando os cabelos mais macios ao toque.

2– Tensoativos Catiônicos

Os tensoativos catiônicos são aqueles que, em solução aquosa se dissociam, formando cátions (carga elétrica positiva). Possuem ação bactericida e amaciantes.

3 – Umectantes

Mantém as moléculas de água presas aos fios de cabelo. Possuem alta afinidade com a água e retêm umidade, retendo várias moléculas de água em sua camada de hidratação.

4 –   Álcoois Graxos

Óleos, ceras ou gorduras grandes e não voláteis que formam um filme sobre os fios do cabelo, promovendo a lubrificação, diminuindo a repulsão eletrostática e tornando-os mais macios ao toque.

5 – Proteínas e Derivados de Proteínas

Devido ao fato de as proteínas serem cadeias longas contendo centenas de aminoácidos, é quase impossível que penetrem no eixo dos cabelos. Entretanto, cabelos danificados e porosos absorvem quantidades úteis de proteínas, embora elas não possam ser reconstituídas a partir de aditivos.

Pequenas proteínas ajudam a selar temporariamente as pontas duplas e evitar que elas piorem, além de serem utilizadas para melhorar a textura do cabelo, equilibrar a oleosidade e aumentar a elasticidade.

Além de aditivos como vitaminas, silicones, fragrâncias, estabilizantes (EDTA, espessantes, conservantes) e água.

 

A QUÍMICA DO CONDICIONADOR – COMO MELHORAM A MALEABILIDADE DOS FIOS?

 

Os condicionadores fortalecem o cabelo, amaciam a cutícula e reduzem a fricção durante a escovação com cabelos úmidos, o que permite que o pente deslize pelos cabelos e reduz danos mecânicos futuros.

Mas, provavelmente, você deve está se perguntando: Como o condicionador faz isso nos poucos minutos que ele fica nos cabelos durante a lavagem?

Bem, os condicionadores capilares possuem em sua composição tensoativos catiônicos (Carga positiva – NH3+) que têm a capacidade de diminuir a tensão superficial da água.  Suas moléculas são caracterizadas por uma longa cadeia apolar e um grupo funcional polar.

 

 

Já os shampoos, possuem tensoativos aniônicos, ou seja, com carga negativa.

 

 

Dessa forma, quando uma pessoa utiliza o shampoo, seu cabelo fica eletrostaticamente carregado, em razão da repulsão entre as moléculas negativas carregadas, aderidas ao cabelo. Os fios carregados negativamente repelem-se, embaraçando-se uns nos outros e adquirindo um aspecto áspero e arrepiado.

 

 

Assim, como a camada externa do cabelo é hidrofóbica, ou seja, possuem aversão à água, quando aplicamos o condicionador após utilizar o shampoo, o íon carregado positivamente pelo condicionador neutraliza as cargas negativas depositadas nos cabelos pelo shampoo e aderem aos fios formando uma camada uniforme que tem forte atração pela água, reduzindo a fricção dos fios e tornando-os mais fáceis de pentear.  Além de possuírem grande afinidade com a queratina dos fios do cabelo, tornando-os mais macios e brilhosos.

É dessa forma que os condicionadores melhoram a maleabilidade dos fios quando lavamos os cabelos.

Veja também “TENDÊNCIAS EM PERFUMARIA”.

Deixe seu comentário, dicas e sugestões. Pesquise em nosso Blog e compartilhe com os amigos. Curta nossa página no Facebook e vejas novidades no nosso canal do YouTube.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.